Cultura passa para o Ministério do Turismo

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


A transferência da Secretaria Especial de Cultura ao Ministério do Turismo, assinada quinta-feira, retira das mãos de Osmar Terra (MDB), ministro da Cidadania, uma área que lhe rendia críticas de pessoas do governo, alas conservadoras e da esquerda. Ainda nesta quinta, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) nomeou o diretor Roberto Alvim para o cargo de secretário especial de Cultura.

A crise na gestão da pasta transbordou em agosto, com a saída turbulenta de Henrique Pires do comando da secretaria. O ex-secretário disse que a "gota d'água" para deixar o cargo seria a suspensão do edital que selecionaria obras com temática LGBT para serem exibidas em TVs públicas.

A escolha do sucessor, o economista Ricardo Braga, nem sequer passou pelas mãos de Terra, que só foi conhecer o currículo de seu subordinado dias após a nomeação. Braga deixou a pasta após dois meses apagados na Cultura, para assumir cargo no Ministério da Educação.

A mudança dá força ao ministro do Turismo, Álvaro Antônio, alvo de desgaste por suspeitas relacionadas a desvio de recursos públicos por meio de candidaturas laranjas nas eleições de 2018. Antes de bater o martelo sobre a transferência da secretaria, o governo cogitou encaixar a pasta nos ministérios da Casa Civil ou da Educação. No fim, venceu a tese de que o Turismo tem mais proximidade com a Cultura.

"Projetos importantes para o Brasil já vinham sendo desenvolvidos em parceria pelas duas pastas, que possuem objetivos sinérgicos e naturalmente integrados, pois o Brasil é o 9.º país do mundo em atrativos culturais para turistas", afirmou o Ministério do Turismo em nota.

Auxiliares de Osmar Terra reduzem o impacto da transferência da secretaria de cultura. Afirmam que a medida foi feita em acordo com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni (DEM), e o presidente Jair Bolsonaro (PSL). Bolsonaro e Terra conversaram durante viagem à China sobre a mudança na pasta.

Repetidas vezes, Bolsonaro criticou o financiamento público de filmes e séries com temática LGBT. Em entrevista à youtuber Antonia Fontenelle, em setembro, o presidente disse que é preciso "retirar" dos órgãos públicos pessoas que "não aprovam" filmes com "temática do nosso lado". "O tempo vai fazer a gente descontaminar esse ambiente para a boa cultura no Brasil", disse. "Mudou o governo. Não é mais o PT, onde a família era um lixo, onde os valores familiares não valiam nada. Tá na Constituição: o que é família? Homem e mulher. Tá escrito lá. Emende a Constituição e a gente vê como fica. Como sou cristão, vai ter de apresentar uma emenda à bíblia também", declarou o presidente.

A mudança também ocorre após uma série de trocas no primeiro escalão de órgãos da cultura, como na Funarte, Fundação Casa Rui Barbosa e Iphan.

Repercussão

A transferência da Secretaria Especial de Cultura para o Ministério do Turismo gerou críticas da classe artística e de políticos de diversos partidos. "Que absurdo a cultura do nosso país sendo tratada dessa forma", escreveu nas redes sociais o secretário municipal de Cultura de São Paulo, Alê Youssef. "Atacada, sucateada, censurada. E agora, jogada como uma sub pasta de um ministério para outro. Alvo da sanha de grupos obscurantistas raivosos."

O deputado federal Alexandre Frota (PSDB-SP) fez um post ironizando o presidente Jair Bolsonaro. "Com a ideia de Bolsonaro transferir a Secretaria de Cultura que estava na Cidadania para o Ministério do Turismo acho que o primeiro filme a ser realizado poderia ser o Meu Pé de Laranja Lima", escreveu o deputado, referindo-se ao ministro Álvaro Antônio, alvo de desgaste por suspeitas relacionadas a desvio de recursos públicos por meio de candidaturas laranja nas eleições de 2018.

Dois ex-ministros da Cultura também se manifestaram. Marcelo Calero chamou a decisão de "mesquinha". "Colocar órgãos como a Casa de Rui Barbosa, a Biblioteca Nacional, o IPHAN, a Fundação Palmares, o IBRAM e a Funarte sob a batuta do Ministério do Turismo, é de uma visão tão pequena, tão mesquinha. Fala-se muito que somos "Um país sem memória". Assim seguiremos. Cada vez com menos", escreveu no Twitter.

Roberto Freire disse, também nas redes sociais, que "realmente a Cultura para o governo Bolsonaro é um estorvo".

A atriz Patrícia Pillar também comentou a transferência. "Um país que não valoriza sua cultura é um país sem rosto. Assim, o Brasil vira as costas ao que o povo brasileiro tem de mais original, sua personalidade e sua história. Triste Brasil..."
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Pesquisa mostra estilos de playlists mais criadas durante quarentena; confira

Você é o tipo de pessoa que gosta de ouvir uma música enquanto cozinha? Ou então não consegue se concentrar para uma atividade manual sem algum som ao fundo? Bom, você não está sozinho...