Guillaume Van der Loo: '80% do pacto entre Mercosul e UE pode ser executado logo'

Notícia
Espaço entre linhas+- ATamanho da letra+- Imprimir


Com a provável saída do Reino Unido da União Europeia, os britânicos terão de negociar com os países do Mercosul a manutenção de aspectos do acordo comercial fechado com Bruxelas. Embora o pacto firmado entre os dois blocos após 20 anos de negociação ainda exija ratificação por todos os países-membros, há um atalho para que 80% do acordo seja executado de maneira provisória a partir da assinatura ou meses depois dela.

A avaliação é do analista de questões legais da política comercial do bloco europeu, o belga Guillaume Van der Loo. O pesquisador do Centro de Estudos Políticos Europeu esteve em São Paulo na última semana para um evento da Fundação Armando Álvares Penteado (Faap) sobre o tema e deu entrevista ao Estado.

Quais as expectativas para a aprovação e ratificação do acordo comercial entre Mercosul e União Europeia?

As negociações levaram cerca de 20 anos e podemos dizer que a parte mais difícil ainda vai começar, que é o processo de assinatura e ratificação. Falando pelo lado europeu, para esse processo ainda há algumas preocupações e questões pendentes. Do ponto de vista dos procedimentos, das instituições e dos atores que precisam assinar e ratificar o pacto, estão o Conselho Europeu, que representa os Estados-membros, e os Parlamentos nacionais de todos os países.

Todos precisam assinar e ratificar o acordo?

Sim, e isso complica a questão, porque cada um dos 28 Estados-membros segue a própria Constituição. Em alguns deles, seus Parlamentos têm duas Casas e todas precisam aprovar e ratificar. Na Bélgica, por exemplo, até mesmo os Parlamentos regionais precisam assinar e ratificar o acordo.

Alguém pode vetar?

Um exemplo de quão problemático e difícil pode ser o processo de assinatura é o caso do acordo econômico assinado entre a União Europeia e o Canadá, há dois anos. Ele é um dos casos que chamamos de "acordo mix", que significa que precisa ser assinado e ratificado não apenas pela União Europeia, mas por todos os Estados-membros. Por razões políticas, em uma região da Bélgica, um Parlamento local tem bloqueado a assinatura desse acordo para toda a União Europeia. Esse exemplo foi apenas para ilustrar que, se um país disser não, é não. Esse longo processo de ratificação, normalmente, pode levar de três a cinco anos.

Há alguma brecha?

A boa notícia é que existe um clássico atalho para contornar esse processo. Ele é chamado, sob a lei internacional, de "aplicação provisória". Ele diz que, se a União Europeia e os países do Mercosul concordarem - e isso deve ser proposto pelos europeus -, eles poderão aplicar provisoriamente partes do acordo. Na verdade, 80% do pacto pode ser executado no momento da assinatura ou alguns meses depois dela.

Por que não é assim direto?

Há provisões que são de competência dos países-membros, e não da União Europeia. A ideia básica dessa aplicação provisória é que os Estados envolvidos possam começar a aplicar as partes que seguem as regras do bloco. Assim, os países-membros não têm de reagir e não precisam se envolver. É difícil pôr em números, mas isso representa a maior parte dos acordos, cerca de 90% dos que estão sob a competência do bloco.

Estamos falando de um bloco de 28 membros. E se ele cair para 27, após o Brexit?

Bem, o Brexit tem sido imprevisível. O cenário mais provável neste momento é o de que o Reino Unido saia mesmo da União Europeia em breve e é possível que o processo de assinatura do pacto comercial aconteça após o Brexit. No melhor dos cenários, ele será assinado em algum momento até o fim do próximo ano. Até lá, o Reino Unido, provavelmente, já terá iniciado sua desfiliação da União Europeia, entrando em um período de transição com Bruxelas. Durante esse período de transição, que pode levar até um ano, o Reino Unido ainda pode manter partes do acordo. Mas o Mercosul terá de aprovar isso também.

Então podemos esperar mais uma negociação?

Sim, mas isso depende, porque nesse período de transição, basicamente, o Reino Unido continuará como um membro de facto do bloco europeu. Temos então três períodos distintos. A fase em que o Reino Unido ainda é um Estado-membro. Depois, há o próximo período, de transição, no qual ele não será mais um membro da UE, tecnicamente, embora continuará sendo na prática. E há finalmente o período em que o país estará realmente fora do bloco.

Como será esse período de transição?

A principal ideia para esse período de transição é que a UE e o Reino Unido precisarão negociar um novo acordo sobre o futuro das relações comerciais entre os dois lados do Canal da Mancha. Atualmente, há apenas o acordo sobre a saída do país do bloco e o processo de separação. Esse entendimento apenas estabelece regulações e a mitigação das consequências, enquanto que o futuro das relações comerciais, por exemplo, ainda precisará ser negociado. Eles podem usar o período de transição para isso. O Reino Unido, contudo, não pode negociar com a União Europeia um acordo comercial enquanto ainda for membro do bloco. Isso seria muito estranho. Por isso existe o período de transição.

E o que acontece com o acordo entre UE e Mercosul durante essa fase de transição?

Se os países envolvidos quiserem, o Reino Unido poderá se manter parte do acordo comercial. Durante esse período, Mercosul e Reino Unido devem começar a negociar um acordo que poderia entrar em vigor no momento em que os britânicos deixarem a UE. Ele poderia ser parecido com o que já foi negociado com o bloco europeu, mas dependerá das preferências políticas de britânicos e do Mercosul.

E isso vale para os mais de mil acordos do bloco com outros países?

Sim. De um lado, temos os acordos internacionais que já estão em vigor e os quais o Reino Unido terá de renegociar. Será um esforço enorme para esse período de transição. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Notícia



Coreia do Norte realiza testes em sua base de mísseis de longo alcance

A Coreia do Norte anunciou neste domingo que realizou um "teste muito importante" em sua base de lançamento de foguetes de longo alcance que, segundo informações, foi reconstruído depois de desmontado parcialmente no início das negociações com os Estados Unidos para diminuir seu arsenal nuclear, no ano passado...